terça-feira , Maio 22 2018
Início / Ídolos / Ricardinho: de que são feitos os ídolos?
Ricardinho completará neste sábado(30) 200 jogos com a camisa alvinegra. (Foto: Portalvinegro / Divulgação).

Ricardinho: de que são feitos os ídolos?

Ricardinho é celebrado e idolatrado pela torcida alvinegra; O maestro alvinegro faz diante do Luverdense sua 200ª participação com o manto alvinegro

Ricardo Dias Acosta, natural de Rosário do Sul, no Rio Grande do Sul. Cruzou o país, vestiu algumas camisas, até retornar à nossa capital, em 2013, para desde então se tornar ídolo no Ceará.

Na sua terceira passagem por Porangabuçu, Ricardinho completa, diante do Luverdense neste sábado (30), 200 partidas vestindo a camisa do Ceará.

Dono de um toque refinado, uma bola parada perigosíssima e de participações decisivas – seja com gols ou assistências -, o gaúcho de 31 anos conquistou um tricampeonato estadual (2013, 2014 e 2017) e o título da Copa do Nordeste (2015) com a camisa alvinegra.

Poucos lembram, mas Ricardinho já atuou pelo Vozão em 2007. Foi uma passagem rápida, mas que deixou as portas abertas para seu retorno em 2013.

A história de carinho do meia com o clube começou a ser escrita a partir de sua segunda passagem por Crslo de Alencar Pinto.

Logo no primeiro semestre o maestro conseguiu fazer uma boa campanha na Copa do Nordeste e levou o clube até as semifinais da competição.

Naquela mesma temporada outra vez o clube bateu na trave e quase conquistava o acesso a Série A do CAmpeonato Brasileiro, mas novamente o talentoso meia foi destaque da equipe.

Em 2014 o Ceará montou um ótimo time e Ricardo era a peça fundamental daquela equipe.

O meia conduzia todas as jogadas ofensivas do time montado por Sérgio Soares.

A equipe, que marcou história em Carlos de Alencar Pinto, conquistou o estadual naquela temporada e foi um dos ataques mais positivos do futebol brasileiro em 2014.

O vice da Copa do Nordeste e mais um quase acesso não apagaram os feitos do time comandado pelo R8 em campo.

A consagração

A temporada 2015 começou mais uma vez com o alvinegro como favorito nas competições em que iria disputar.

A Copa do Nordeste, que já havia batido na trave em 2013 e 2014, veio para coroar o maestro alvinegro.

O título conquistado de forma invicta e o belo futebol apresentado em campo eram a celebração de uma base sólida que permanecia em Porangabussu desde 2013 e que tinha em Ricardinho o foco central.

Ricardo ainda foi importante na fuga contra o rebaixamento à Série C do nacional.

Ao longo de todas essas temporadas o meia foi assediado por várias equipes do futebol brasileiro. Porém, o clube fez esforços para mantê-lo atuando com o manto alvinegro.

 

Bola no pé e cabeça erguida, características que só os craques possuem.

 

Ricardinho é ídolo da torcida alvinegra não por ter uma qualidade técnica acima da média do nosso futebol local, não é ídolo por sempre ser solicito com a torcida, seja presencial ou virtualmente.

Ricardo Dias Acosta é ídolo porque sempre demonstrou respeito com a camisa alvinegra. Seus feitos em campo são apenas reflexo de um jogador que foi abraçado e abraçou a maior torcida do estado.

Para Ricardinho todo o respeito, admiração e agradecimento por tudo que conquistou com nosso manto.

Obrigado, maestro.

Veja isso

Clubes definem proposta para nova Copa do Nordeste em 2019

Regulamento da edição 2019 prevê dois grupos de oito e times do G7 querem formato …

Um comentário

  1. Maestro ídolo sempre…parabéns…amooo…continue conosco…deus te abençõe e te ilumine sempre…sua fã incondicional e pra sempre…euda lopes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *